Plástica para o verão: ainda dá tempo de fazer a sua!

Postado por Marcos Grillo em 10/nov/2017 - Sem Comentários

Aproveite o período em que as temperaturas ainda não subiram e o Sol ainda não está tão forte para fazer uma plástica para ficar bem no verão.

Estamos nos aproximando do final do ano e o clima frio começa a se despedir, cedendo lugar aos dias mais ensolarados e quentes. Porém a temporada de praia e piscina ainda está muito no início. Portanto, ainda dá tempo de aproveitar o período sem o Sol tão forte e garantir aquela cirurgia plástica, para exibir o tão desejado corpo no verão!

As pessoas que pensam em fazer uma cirurgia plástica e aproveitar o verão devem ficar atentas ao período. Fazer uma cirurgia muito em cima da temporada não é bom para a recuperação, pois esta pode demorar um pouco mais e, se houver exposição ao Sol, as cicatrizes podem ficar marcadas.

Mas, vale destacar que ainda estamos em tempo. Quem deseja um corpo com curvas mais harmoniosas para exibir ainda neste verão pode realizar este sonho. Que tal ir à praia com a cintura mais fina ou com os seios maiores e mais levantados?

A recuperação de uma cirurgia plástica gira em torno de um a dois meses. No caso de uma cirurgia para aumento das mamas, por exemplo, em apenas 45 dias a paciente já está liberada para se expor ao Sol. Nas lipoaspirações este período aumenta para 60 dias.

Portanto, fazendo as contas, se você correr e marcar a sua cirurgia plástica logo neste início de novembro, a temporada de verão estará dentro dos seus planos e, você, com um corpo muito mais bonito.

Pense nisto! Não perca tempo e agende logo a sua consulta na Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Marcos Grillo: (41) 3343.8881 | (41) 9 9834.6444.

Festas de fim de ano

Postado por Marcos Grillo em 22/out/2013 - Sem Comentários

O final do ano se aproxima.

A partir do início de dezembro as tradicionais festas de final de ano, principalmente jantares de confraternização de empresas, escritórios de advocacia, hospitais, repartições públicas, entre outros, se realizam para celebrar a amizade e o companheirismo profissional.

Estas comemorações culminam com a festa de Natal e de Ano Novo.

Nesta época, a procura por tratamentos faciais não cirúrgicos aumenta consideravelmente. Dentre estes destaca-se a aplicação da toxina botulínica, cujos nomes comerciais variam dentre vários produtos de diferentes laboratórios. O pioneiro e mais conhecido é o Botox, marca registrada do Laboratório Allergan.

Este produto tem sua principal indicação no tratamento das rugas dinâmicas, também conhecidas como rugas de expressão, localizadas na testa como linhas transversais, linhas verticais na glabela (logo acima da raiz nasal, entre os supercílios) também conhecidas como as rugas da braveza e nas laterais das órbitas, famosos “pés de galinha”.

A aplicação do produto se faz no consultório, em pontos específicos e individualizados para cada paciente, é muito rápida e praticamente indolor.

O resultado consiste em um apagamento das determinadas rugas que se prolonga por aproximadamente seis meses.

Lipoaspiração

Postado por Marcos Grillo em 01/ago/2013 - Sem Comentários

A ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) em conjunto com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) aponta os dados da cirurgia plástica no país, em 2011. O resultado mostra que a lipoaspiração, com 211208 cirurgias, desbancou a ex-campeã mastoplastia de aumento que, com 148962, passou a ocupar o segundo lugar no ranking das cirurgias mais realizadas no Brasil.

A lipoaspiração já tinha ocupado o posto de campeã em 2004, caiu em 2007 e voltou a liderar em 2011. Em quatro anos, o número de cirurgias plásticas no Brasil quase dobrou: passou de 629287 para 905124, em 2011 – um aumento de 43,9%. Desde 2007, as lipoaspirações apresentaram crescimento de 130%, com 91800 procedimentos realizados na época, contra 211108 realizados no ano de 2011. No mesmo período, foram 158962 cirurgias de aumento de mama (crescimento de 54,5%). As cirurgias de mamaplastia/mastopexia (redução mamária e levantamento das mamas)ocupam o terceiro lugar no ranking, com 131377 procedimentos realizados.

Claudio Salum, presidente da SBCP, regional de Minas Gerais, justifica números tão expressivos como: “O país está crescendo economicamente. Somos hoje a sétima potência econômica mundial e um maior número de pessoas está tendo acesso a cirurgia plástica. Outro fator é o interesse cada vez maior do público masculino pela especialidade”. A pesquisa também mostra que o Brasil se mantém na vice liderança do ranking mundial das cirurgias plásticas. Somente perde para os Estados Unidos, que realizou 1,1 milhão de procedimentos em 2011.

A China, com 415140 cirurgias, vem logo atrás. Número de procedimentos realizados em 2011: 1.Estados Unidos: 1094146 2. Brasil: 905124 3. China: 415140 4. Japão: 372773 5. Itália: 316470 Brasil- Cirurgias realizadas em 2011: 1.Lipoaspiração: 211108 (23,32%) 2.Mastoplastia de aumento: 148962 (16,45%) 3.Mamaplastia/pexia: 131377 (14,51%) 4.Abdominoplastia: 95004 (10,49%) 5.Blefaroplastia: 90281 (9,97%) 6.Rinoplastia: 43809 (4,84%) 7.Ritidoplastia: 38484 (4,25%) 8.Gluteoplastia com prótese: 2145 (2,37%) 9.Queiloplastia: 23311 (2,57%) 10.Ginecomastia: 22960 (2,53%) 11.Lifting de coxas: 12711 (1,40%) 12.Lifting frontal: 11404 (1,25% 13.Otoplastia: 28788 (1,18%) 14.Ninfoplastia: 9043 (0,99%) 15.Lifting de braços: 8541 (0,94%) 16.Mentoplastia: 5979 (0,66%) 17.Gluteoplastia/lifting: 1909 (0,21%) Fonte: Plástica em Minas; Ano XIX, número 86, jan/fev 2013

Aumentam as cirurgias plásticas em homens

Postado por Marcos Grillo em 30/maio/2013 - Sem Comentários

A cada ano que passa, o número absoluto de cirurgias plásticas em homens aumenta.

Hoje estas representam entre 10 e 15% das cirurgias nas mulheres. As mais procuradas  são a lipoaspiração, o transplante capilar, a rinoplastia e abdominoplastia.

A história da Lipoaspiração

Postado por Marcos Grillo em 01/maio/2013 - Sem Comentários

A HISTÓRIA DA LIPOASPIRAÇÃO

Theo Voukidis, Cirurgião Plástico, Grécia

Talvez , em toda a história da Cirurgia Plástica, nunca houve outro exemplo de técnica cirúrgica que desde sua introdução até os dias atuais tornou-se rapidamente a mais popular dentre todas as outras cirurgias.
Atualmente, de acordo com as estatísticas globais da ISAPS (Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética), em todos os cantos do mundo, sete em cada dez cirurgias plásticas, são ou contêm uma lipoaspiração.

A primeira tentativa de aspiração de gordura foi realizada por um cirurgião francês chamado Charles Dujarier, usando um fino tubo de bambu. Esta primeira lipoaspiração foi realizada em 1921, e pelos anos seguintes, vários pacientes com desejo de remover gordura localizada submeteram-se a esta operação. Posteriormente, Dr. Dujarier substituiu os finos tubos de bambu por cânulas de curetagem ginecológicas numa evolução da técnica. Um dos problemas que ele se deparou foi a pequena força do vácuo para aspirar, fazendo com que o procedimento fosse muito traumático.
Infelizmente, em 1924, uma modelo famosa que trabalhava em Paris submeteu-se a uma lipoaspiração e, devido a esterilização imprópria do material, trauma da artéria femoral, excesso de sangramento e resultante gangrena, culminou com a amputação da sua perna. A paciente faleceu algumas semanas apos a cirurgia. Como resultado, a técnica foi abandonada e o Dr. Dujarier teve sua licença cassada por ele estar “realizando uma técnica experimental em humanos, sem os devidos e necessários conhecimento e experiência”.
 
Não há evidências do que se seguiu nos anos seguintes porém o incidente e a técnica foram ambos relegados ao esquecimento.
Na década de sessenta, alguns ginecologistas europeus, incluindo Dr. Josef Schrudder de Colônia, Alemanha, empregando cânulas abortivas, começaram a curetar a gordura e extraíla aplicando pressão externa como massagem e discreta sucção através da incisão.
 
Muitas complicações, resultados desencorajadores e períodos de recuperação extremamente longos eram comuns.
Apard Fisher, um conhecido ginecologista italiano que acreditava no valor e no futuro desta técnica, tentou melhorá-la e reintroduzi-la na comunidade ginecológica,  afirmando que este procedimento era puramente ginecológico e nenhuma outra especialidade deveria empregá-lo. “Esta cirurgia é indicada para mulheres e nós estamos empregando instrumentos ginecológicos e nossa experiência em sugar tecidos inúteis”, afirmou ele. Começou a ensinar este método, primeiramente ao seu filho, Giorgio Fisher, também ginecologista, e forneceu-lhe a honra e o privilégio de ser o autor da primeira publicação em um jornal de ginecologia em 1976. Neste mesmo ano ele também apresentou sua “moderna técnica de remoção de gordura por meio de curetagem e aspiração” num congresso italiano colocando-o a si mesmo no “Hall da Fama”como o pioneiro mais famoso da lipoaspiração.
 
A cirurgia plástica estética estava iniciando pois a Cirurgia Plástica era considerada principalmente reconstrutiva.
O primeiro cirurgião plástico a modificar e iniciar a utilização da lipoaspiração foi o francês Yves Gerard Illouz. Desde o início da sua prática, este cirurgião genial entendeu que uma cânula com a ponta romba, atraumática, conectada a uma fonte de sucção potente seria menos agressiva e resultaria em melhores resultados.
Na mesma época, o cirurgião plástico brasileiro Ivo Pitanguy estava introduzindo a sua técnica de dermolipectomia e ressecção de tecido gorduroso com ótimos resultados e iniciou a divulgação deste método ao redor do mundo.
Outros cirurgiões plásticos continuaram empregando cânulas de curetagem uterina para remover gordura com resultantes complicações  como deformidades de superfície e mortes, que continuaram por muitos anos devido a precocidade da técnica.
Illouz foi o primeiro a introduzir a “técnica úmida”de lipoaspiração e, principalmente, o primeiro a estudar as conseqüências médicas e o comportamento biológico da remoção de gordura . Seus trabalhos se tornaram conhecidos em 1978, sendo considerado o cirurgião plástico “pai”da lipoaspiração.
Outro cirurgião plástico francês, colega do Dr. Illouz, foi Dr. Pierre Fournier que desenvolveu a primeira cânula com a ponta romba produzida em massa e utilizada por inúmeros cirurgiões, incluindo Dr. Illouz.
 
Dr. Fournier promoveu a “técnica seca”durante anos em todo o mundo. (Fournier: PRS Vol.72, No. 5, 1983). A primeira publicação do Dr. Illouz entitulada de “Adiposucção” foi em um jornal não medico, Nouvelle Esthetique, mais precisamente une nouvelle technique par lês lipodistrophies localisees”, em 1979. Sua primeira publicação científica, com o mesmo titulo, se deu em 1980 na La revue de Chirurgie Esthetique de La langue Française, No. 19, Tome VI.
Ironicamente, Dr. Illouz foi denominado por seus colegas franceses como um “pied noir” (pé negro) assim como todos os franceses que eram nascidos na Argélia e, no início, seu método era visto com certo ceticismo. Numa de suas primeiras apresentações oficiais, quando ele subiu ao púlpito, vários colegas que estavam no auditório se retiraram da sala em protesto ao seu novo método de “brucharia”.
 
Em 1985, Dr. Illouz novamente foi pioneiro, removendo gordura de um lipoma e reinjetando esta gordura no sulco nasolabial de um mesmo paciente, o que foi a primeira “lipoescultura”realizada.
A lipoaspiração foi tornando-se cada vez mais popular e outras especialidades tentaram iniciar-se na moderna técnica. Dermatologistas, ginecologistas, e até anestesiologistas estiveram visitando Dr. Illoz e Dr. Fournier em Paris, trazendo para seus países a moderna técnica de remodelagem corporal. Entretando, desde o início era óbvio que esta técnica não era tão simples como se acreditava e o conhecimento profundo da Cirurgia Plástica e dos Cirurgiões Plásticos tornou-se fundamental para os bons resultados.

 
Todos os não cirurgiões plásticos tiveram sérias complicações , resultados indesejáveis e mesmo fatalidades com o método.Um dos primeiros cirurgiões plásticos americanos a visitar Dr. Illouz e aplicar a técnica da lipoaspiração foi Peter Pacik de New Hampshire em 1979-1980. Porém o equipamento de lipoaspiração ainda não era aprovado pelo FDA como instrumental medico.
O primeiro cirurgião plástico inglês a empregar o método foi Bryan Mayou, em 1980, apos longo Período de treinamento com Dr. Illouz. Quem introduziu a  técnica de infiltração tumescente para expandir o tecido a ser aspirado com menor sangramento foi o Dr. Jeffrey Klein em 1985 na Califórnia.
Em 1987, o cirurgião plástico italiano, Dr. Michele Zocchi, introduziu a lipoaspiração ultrassônoca, método que vem sendo utilizado por alguns cirurgiões.

A vibrolipoaspiração é um método ou técnica de lipoaspiração onde existe uma cânula conectada a um aparelho que promove vibração, produzindo energia mecânica, e facilitando a retirada de gordura pele cirurgião que faz menor força física.
O cirurgião plástico colombiano Rodrigo Neira introduziu a técnica de laserlipólise, que utiliza o laser como fonte de energia para dissolver o tecido adiposo e posteriormente aspira-se esta emulsão.
 
A lipoaspiração também foi pioneira em promover o conhecimento da lipotransferência, separando-se as células tronco adiposas, a bioengenharia  e a regeneração em associação com fatores biológicos.
Após aproximadamente 50 anos de desenvolvimeto, esta técnica de cirurgia plástica original é a mais realizada em todo o mundo e todos os cirurgiões plásticos que a inventaram e continuam aprimorando-a ainda estão vivos e contribuindo para sua evolução.
 
FONTE: ISAPS News; Vol. 6, N.3; 2012.