Implantes de silicone: atrás ou na frente do músculo?

Postado por Marcos Grillo em 30/out/2017 - Sem Comentários

Descubra como definir a melhor técnica para aplicar os implantes de silicone.

Muitas mulheres possuem a vontade de fazer implantes de silicone em algum momento de sua vida, seja apenas por questões estéticas ou até mesmo de autoestima. Mas, se definir o tamanho que a prótese terá já é difícil, imagina ter que pensar em qual é a melhor técnica para realizar a sua aplicação?

Atualmente, são existentes variados tipos de técnicas para a colocação dos implantes de silicone. Entenda quais são as características dos principais deles:

Implantes de silicone atrás do músculo

Também chamada de submuscular, essa técnica é bastante recorrida e visa aplicar a prótese entre os músculos peitorais maior e menor e a parede do tórax. É indicada para pacientes muito magras ou com mamas muito pequenas, uma vez que possuem tecido e gordura insuficiente para cobrir a prótese.

Implantes de silicone na frente do músculo

Essa técnica também é conhecida como subglandular, por justamente os implantes de silicone serem aplicados logo abaixo das glândulas mamárias. É a mais solicitada pelas pacientes, pois o local de aplicação é de fácil acesso, bem como o pós-operatório possui menos complicações. Para quem tem vontade de possuir seios bem marcados e avantajados, essa é a técnica mais indicada.

Outra técnica desse tipo é a subfascial. Nela, o implante também fica posicionado na frente do músculo, porém atrás da membrana do mesmo, conhecida como fáscia. Dessa forma, ela garante mais estabilidade para os implantes, além de apresentar resultados mais duradouros, já que é mais difícil de acontecer o caimento das mamas, por conta da sustentação que a fáscia oferece.

Independentemente da técnica que será escolhida, é preciso sempre conversar com o cirurgião plástico sobre a questão, pois ele saberá explicar exatamente quais as vantagens e desvantagens de ambas para cada caso. Agende a sua consulta aqui com a gente: (41) 3343.8881 | (41) 9 9834.6444.

Fontes:

Redução de mamas para melhor qualidade de vida

Postado por Marcos Grillo em 08/fev/2017 - Sem Comentários

Mulheres com seios grandes têm incômodos diariamente, incluindo dores nas costas e a redução de mamas resolve esse problema

Continuando com a série de posts relacionados ao outubro rosa, vamos escrever sobre a cirurgia de redução de mamas. A mamaplastia ou mastoplastia redutora é uma cirurgia plástica indicada para mulheres que possuem mamas muito volumosas.

As mamas volumosas e, por conseguinte, pesadas atrapalham as mulheres nas atividades diárias, na prática de exercícios físicos e na higiene pois existe sudorese excessiva abaixo do sulco mamário, principalmente no calor. Com a redução de mamas, esses e outros incômodos, como dores diárias nas costas, acabam. Ressaltando que, mesmo assim, as dores nas costas podem ser decorrentes de alguma patologia e podem não acabar.

Seios muito grandes podem causar danos à coluna vertebral quando associada ao aumento do peso corporal. A cirurgia de redução de mamas é realizada sob anestesia peridural ou geral, tem duração média de 2 a 3 horas e período de internação de 24 horas.

O pós-operatório da redução de mamas é tranquilo, com pouca ou praticamente nenhuma dor. A restrição principal é a movimentação dos braços. Pacientes que passam pelo procedimento de redução das mamas retornam às atividades cotidianas em 5 a 7 dias. Dirigir, somente após 15 dias e para exercícios sem movimentação dos braços e peitorais, o tempo de espera é de 30 dias.

Como com toda cirurgia, a redução de mamas exige cuidados com as cicatrizes, que são imprescindíveis durante os seis primeiros meses. O emprego de cremes e até de fitas de silicone é indicado para melhorar o aspecto final das marcas, a fim de que elas fiquem o menos visível possível.

Para se informar mais e tirar suas dúvidas, agende uma consulta!

Acompanhe o canal do Dr. Marcos Grillo no Youtube para mais novidades em vídeo.

(41) 3343-8881 ou (41) 99834-6444

Av. Sete de Setembro, 4848, no 12º andar

A escolha adequada do volume do implante mamário

Postado por Marcos Grillo em 23/set/2013 - Sem Comentários

O volume do implante a ser escolhido depende do desejo da amplitude de aumento do volume atual das mamas e da correta indicação do cirurgião.
O principal é obter uma proporcionalidade entre a altura da paciente, a largura dos ombros, a largura do quadril. Baseado nestas três medidas e tendo a largura e o comprimento da base da mama, sugerimos o volume do implante a ser colocado. Evidentemente, a quantidade ou volume do tecido mamário e adiposo presentes nas mamas são importantes para esta escolha.

Portanto, pode-se escolher um volume de implante pequeno e se obter um tamanho mamário final grande!

Matemática associada a Arte !

Implantes de silicone

Postado por Marcos Grillo em 18/fev/2013 - Sem Comentários

Yes, elas têm silicone!

por Maria Emilia Staczuk | Fotos: DIego Pisante

A colocação de próteses de silicone nos seios, para fins estéticos, é crescente no país e já supera as cirurgias plásticas de lipoaspiração.

A implantação de próteses de silicone é a cirurgia estética mais realizada no Brasil. A constatação se baseia no último levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em 2009, que revelou que, em média, 21% dos procedimentos são para foto_2_109910_11847aumento de mama. A lipoaspiração compreende 20% das intervenções, seguida das cirurgias de abdômen (15%).

Para o cirurgião plástico Marcos Grillo, a melhoria dos procedimentos e materiais e a ampla exposição do assunto na mídia são fatores que favorecem este crescimento. “Nos últimos anos, a técnica foi aprimorada, a anestesia mudou, o tempo de recuperação diminuiu, as próteses melhoraram em qualidade e, com isso, mais pessoas buscam este tipo de cirurgia”, opina.

Entretanto, o profissional aconselha que a colocação de prótese de silicone, para fins estéticos, seja feita apenas em mulheres com idade superior a 18 anos. O cirurgião plástico diz que não há idade limite para realização do procedimento, desde que a candidata esteja clinicamente apta para tal. “Recentemente, troquei a prótese de uma mulher com 78 anos, que tinha a colocado pela primeira vez há 30 anos. Foram feitos exames pré-operatórios, para verificar se a paciente estava em condições de se submeter à cirurgia e à anestesia, e foi um sucesso”, relata. Grillo também lembra que a colocação de prótese de silicone não tem a finalidade de levantar os seios. “Ela apenas aumenta o volume da mama, sem mudar a forma da mesma”, alerta.

foto_2_109910_11845Tomando-se como base as próteses oriundas de grandes laboratórios, como os americanos e franceses, o preço do par varia de R$ 1,8 mil a R$ 2,5 mil, conforme o modelo escolhido. “Existem próteses asiáticas que custam em torno de R$ 800,00 a R$ 900,00, o par. Neste caso, deve-se atentar para elementos como garantia e seguro oferecidos pelo fabricante”, recomenda Grillo. Considerando os custos com hospital, internação, material, equipe médica, auxiliar, instrumentador e anestesista, incluindo as próteses, o valor total da cirurgia é de R$ 8 mil a R$ 11 mil. “O procedimento tem de ser feito num hospital especializado em cirurgia plástica, não no consultório”, orienta.

O médico diz que são raros os planos de saúde que cobrem este tipo de cirurgia, com fins estéticos. Quando incluem o procedimento, o valor da mensalidade varia de R$ 5 mil a R$ 6 mil. “Para a cirurgia reparadora, que compreende, por exemplo, casos de correção por conta da retirada da mama, a maioria dos planos cobre. Entretanto, 95% das mulheres que vêm ao meu consultório a fazem com a finalidade estética”, revela.

O tempo de troca da prótese é, em média, a cada 10 anos. “No início de 2011, foi publicado um estudo que mostra que, depois deste foto_2_109910_11846período, metade das que são colocadas se rompem”, ressalta Grillo. A troca também pode se dar pela vontade da paciente ou por problemas de contratura capsular (endurecimento da prótese). “Com as próteses modernas, apenas 10 a 25% delas terão que ser trocadas por contratura capsular”, afirma.

O cirurgião plástico também conta que existe uma patologia rara, que acomete entre uma mulher em mil, que é a rejeição aguda. Neste caso, de 20 a 25 dias depois da colocação da prótese, tem-se uma pequena abertura em uma das mamas por onde o silicone começa a vazar. “Nesta condição, a paciente deve ser levada ao centro cirúrgico para a retirada das próteses. Em um prazo de seis meses após esta intervenção, é possível recolocá-las”, orienta.

Grillo explica que situações como estas acontecem por infecções que o paciente apresenta no dia da cirurgia, como dor de garganta e infecção urinária, além de frieira e unha in¬ amada, devido à grande quantidade de bactérias. “Se a paciente estiver com um destes sintomas, a cirurgia é cancelada e remarcada para outra data”, esclarece.

Desde o início deste ano, grandes laboratórios oferecem um certificado de cinco a seis anos pela colocação das próteses, identificando o número do lote, as especificações do material e o nome do cirurgião. “Se a paciente tiver que proceder a troca neste período, basta mostrar para o cirurgião que ele entrará em contato com a empresa solicitando um novo par, que será cedido gratuitamente. Os
demais custos ficam a cargo da paciente”, explica.

Estes laboratórios também oferecem um seguro vitalício, com cobertura mundial. “Se a paciente mudar de país, ela vai ter a garantia da prótese, sem custo para a paciente e para o médico”, diz.

 

E as próteses, precisam ser trocadas?

Postado por Marcos Grillo em 13/jan/2013 - Sem Comentários

Uma das perguntas mais frequentes é esta: “Dr., existe prótese definitiva?”.
Não. Todas os implantes necessitarão ser trocados.

Não existe um tempo de validade preciso. Os estudos clínicos mostram que os implantes necessitam ser trocados , em média, ao redor do décimo ano da cirurgia. Porém existem vários casos onde a durabilidade do implante e do resultado da cirurgia vão muito além deste ponto.

É fundamental que a paciente que se submeteu a colocação de implantes mamários de silicone tenha um acompanhamento anual, com exame clínico e imaginológico (ultrassonografia sempre e mamografia, a partir da terceira década de vida).