Reconstrução mamária: uma melhora na autoestima da paciente

Postado por Marcos Grillo em 26/out/2017 - Sem Comentários

Devido a procedimentos realizados por conta de casos de câncer de mama, a reconstrução mamária vem para ajudar a paciente com a sua autoestima.

Neste Outubro Rosa, mês da conscientização sobre o câncer de mama, muitos são os assuntos discutidos sobre a doença – inclusive a questão sobre a autoestima da paciente. Normalmente, boa parte das pessoas que passaram por uma mastectomia (retirada total ou parcial da mama) tem indicação para passar por uma reconstrução mamária. Porém, antes de decidir qualquer coisa, é sempre importante conversar com um cirurgião plástico sobre o procedimento.

A reconstrução mamária age física e emocionalmente sobre a mulher que teve a sua mama retirada por conta de um câncer de mama – ou outras situações, como a agenesia de uma das mamas (Síndrome de Poland), queimaduras ou traumas na região peitoral. Isso se deve ao fato de que uma nova mama melhora consideravelmente a autoestima, autoconfiança e qualidade de vida da paciente.

Esse procedimento pode ser imediato, isto é, realizado ao mesmo tempo que a mastectomia, ou tardio, após a recuperação da mastectomia ou de quaisquer outras cirurgias. Além disso, ele também é realizado em dois ou três tempos cirúrgicos, dividido da seguinte maneira:

1. Num primeiro momento, há a devolução do volume retirado;
2. Após isso, o trabalho é deixar a mama reconstruída o mais parecido possível com a sadia (processo de simetrização);
3. Por fim, há a reconstrução da placa aréolo-mamilar (bico do seio).

Com relação às técnicas utilizadas na hora da reconstrução mamária, há três principais – que deverão ser discutidas com o profissional que vai fazer a operação, uma vez que podem variar de caso para caso, por conta da forma, tamanho e localização da retirada do tecido. Confira abaixo o que caracteriza cada uma dessas técnicas:

– Prótese de silicone: essa técnica é normalmente indicada em casos que a mastectomia não comprometeu tanto a pele ou para quem não possui tecido suficiente para a reconstrução mamária.
– Uso de expansores: uma espécie de prótese vazia é inserida sob a pele para que, gradualmente, o tecido da mama expanda, por meio da aplicação de soro fisiológico, até chegar ao tamanho desejado. Após essa primeira etapa, há a retirada desse expansor e a inserção do implante definitivo.
– Transferência de retalho de pele: essa opção visa a retirada de tecido de uma área do corpo específica para reconstruir a mama. Os locais mais comuns dessa retirada de tecido para a reconstrução mamária são 1) pele, gordura e músculos da parte inferior abdominal; 2) tecido adiposo da barriga; e 3) retalho do músculo grande dorsal (costas).

Caso você tenha interesse em realizar a reconstrução da sua mama, agende uma consulta aqui na clínica e tire todas as suas dúvidas quanto ao procedimento: (41) 3343.8881 | (41) 9 9834.6444

Fontes:

“Doutor, quero uma prótese de 325 ml”

Postado por Marcos Grillo em 17/jan/2013 - Sem Comentários

O volume do implante a ser escolhido depende do desejo da amplitude de aumento do volume atual das mamas e da correta indicação do cirurgião.

O principal é obter uma proporcionalidade entre a altura da paciente, a largura dos ombros, a largura do quadril. Baseado nestas três medidas e tendo a largura e o comprimento da base da mama, sugerimos o volume do implante a ser colocado. Evidentemente, a quantidade ou volume do tecido mamário e adiposo presentes nas mamas são importantes para esta escolha.

Portanto, pode-se escolher um volume de implante pequeno e se obter um tamanho mamário final grande!
Matemática associada a Arte !